A banca e o name dropping

FED-Perceber-a-Divida

É interessante este facto. Sempre que há noticias sobre a banca (sistema financeiro) ou quando a banca se pronuncia sobre algo há sempre uma enxurrada de termos técnicos ilógicos, incompreensíveis e pelo meio alguns até meio criançolas. Eu chamo a isto name-dropping.

Name-dropping é o acto de mencionar pessoas importantes ou instituições numa conversa, estória, música, etc. Normalmente com o objectivo de impressionar, é frequentemente conotado como algo negativo (aborrecido e irritante).

Nestes casos eu uso este termo para quando alguém gosta de atropelar o outro com uma série de termos técnicos, neste contexto, usados para impressionar mas também confundir um pouquinho. Toldar o pensamento, a lógica e argumentação. Não se contexta aquilo que não te entende.

E a banca adora name-dropping! É uma série de subprimes, derivativos embutidos, activos (tóxicos e what not), hedge, swaps, teaser rate.
Depois há aquele name-dropping que parece acessível ao utilizador comum (e leigo como eu), e até quase brincalhão, mas não tem nada a ver: bolha financeira (quando rebenta a bolha o jogo da apanhada não pára… mas o jogo da austeridade começa), banco-bom e banco-mau…

E tu lês um artigo, dois, três e parece que ficaste mais informado, ficaste a perceber alguma coisa (por causa dos termos “acessíveis”) e até te sentes senhor e dono da informação.

«Ah, já viste aquilo que aconteceu no BES?»
«Sim já li muito sobre o good-bank e o bad-bank»

Mas a realidade é que o comum mortal fica na mesma como a lesma. Porque estas coisas são só para dar a impressão de que a pessoa está informada, na “óptica do utilizador”, é uma sensação fraudulenta.

É mais uma das coisas em que a banca faz fraude – no jogo da informação e da desinformação – porque isto não é feito para se perceber, a transparência é uma fachada opaca. Se fosse feito para se perceber o sistema financeiro nunca seria aquilo que é hoje. É assim que se monopolizam fortunas e poder: com a transparência da desinformação.

(des)Empatia

Detachment

Não consigo compreender este momento em que vivemos.
Este momento em que cada pessoa é uma ilha, a falsa percepção de que estamos cada vez mais ligados, mais conectados, mais perto.
A verdade não poderia estar mais longe desse conceito.
Hoje, neste momento, as relações são efémeras, cheias de cobranças, vazias de sentido.
Há um desprendimento, um descompromisso, uma incapacidade de empatizar.
Empatizar é algo muito importante que só o ser humano consegue fazer.
A definição do diccionário diz que empatia é uma “forma de identificação intelectual ou afectiva de um sujeito com uma pessoa, uma ideia ou uma coisa”, ou seja, é a capacidade de reconhecer algo e de nos conseguirmos colocar “nos sapatos da outra pessoa”. Compreender como ela se poderá sentir numa determinada situação, em determinado contexto.

A empatia também faz com que consigamos compreender, e até prever, o impacto e as consequências das nossas próprias acções em relação a outra pessoa. Por vezes até nos é possível prever a reacção, quando conhecemos razoavelmente essa pessoa.
No entanto, eu penso que, ao perdermos esta capacidade de empatizar, perde-se todo o resto. Como um comboio a descarrilar, quando a carruagem da empatia pelo ser humano sai das linhas todas as outras que lhe seguem caem num desastroso aparato.
E aqui o desastre é mesmo perder completa e totalmente a capacidade de respeitar, relacionar e ajudar o outro.
É este momento que estamos.
A total e completa desconexão de nós mesmos. A total e completa desconexão pelo próximo.
Penso até que é possível chegar ao extremo de perder a capacidade de amar. Torna-mo-nos inócuos, vazios de emoções, estéreis. Abrimos espaço para a crueldade, a malícia, a indiferença, a intolerância – pois pensamos apenas no nosso EU. O nosso EGO domina sobre tudo, sobre todos. Infinitamente egoísta.

Até me dá arrepios.
Hoje em dia as pessoas já não medem as palavras. Já não pensam duas vezes antes envenenar as palavras com crueldade.
Não pensam no impacto que certas coisas ditas podem ter nos outros. Lá está…
Já não existe compromisso, lealdade, verdade, noções tão básicas de civismo e co-habitação, moral, valores.
É um “cada um por si”, é a Lei da Selva.

Assusta-me verdadeiramente o futuro a partir deste momento.
Começo a sentir um certo nível de desprendimento. E sinto que tenho (todos temos) esta capacidade de amar (existem muitos tipos de amor, não falo apenas do amor romântico), temos esta capacidade de sermos mais, fazermos mais, conectarmo-nos mais, ajudar (ajudar não significa erradicar a fome do mundo), fazer a diferença no nosso pequeno mundo, nas pessoas em quem tocamos, pequenos gestos que valem por muito. A capacidade de fazer o que for preciso, estar presente.
A capacidade de prever o impacto das nossas acções nas pessoas que nos rodeia, no mundo onde contactamos, é tão essencial para a sobrevivência das conexões interpessoais, das relações pessoais! A empatia é uma pedra basilar do ser humano e está a morrer. A desconexão emocional cresce como um vírus.

Para onde vamos a partir daqui?
Será que queremos apenas ser alguém desprovido de emoções cujo único impacto que deixa neste espaço, neste tempo, nestas pessoas, é negativo? Sem sequer nos importarmos com isso? E continuamos como se nada fosse?

Desligar é uma escolha, mas lutarei sempre com todas as minhas energias para que NUNCA seja a minha.

Nota: a imagem que ilustra este post pertence ao cartaz do filme Detachment. Este filme de certo modo retrata como de uma forma ou outra na nossa “rede” mais próxima estamos interligados e interrelacionados e muitas das vezes não percebemos nem nos apercebemos dessas conexões. Estamos desligados NA rede. As nossas acções continuam a ter impacto nos outros nós é que deixamos de ver e muitas vezes até mesmo de nos importar. Um filme que vale a pena ver.

 

Continuar.

Mudar. Acabar. Parar.

Pode ser paralizante, mas cabe a mim não me ficar pelo ponto final.

Findo um capítulo há que virar a página e começar a escrever o próximo. Não acaba enquanto houver amanhã. E a história pode escrever-se sozinha. Mas e então? Queres ser leitor do teu próprio livro ou queres ser tu a escrevê-lo?!

Não será nunca fácil. Mas será menos difícil se acreditares e viveres no teu momento, não esperando pelo amanhã, fazendo tu hoje para amanhã!

Sacar do sorriso. Sacar da alegria. Sacar da vontade! Não deixar sobrecarregar pelo que não tens! Pelo que deveria ser!

As coisas são como TU as fazes. Ninguém fará por ti!

Talvez não marques a diferença no mundo, talvez não saibas qual é o teu papel. Por enquanto é lutar e fazer sorrir. Tens a certeza que não marcaste a diferença no mundo de alguém? Não tenhas tanta. Já o fizeste.

Aceita as tuas vitórias, as tuas conquistas, as tuas falhas! Acima de tudo, aceita a ti mesma!

Não baixes a cabeça à adversidade. Vais conseguir. Tens de desistir só porque não é agora? Não! Se desistires não acontecerá nunca! É hoje. É Hoje!! A única coisa que tens garantido é o hoje.

Por isso sê hoje. Ri hoje. Ama hoje. Sente hoje. Faz hoje. Vive hoje. Beija hoje. Sê feliz hoje. Sê cada vez uma melhor versão de ti hoje. Deixa os outros entrar hoje.

Não deixes que o queixume, as reclamações, a negatividade te façam perder o hoje. Quem sabe se não haverá amanhã.

Portanto, levanta-te daí agora. É agora que tens de continuar.

Não fiques á espera.

Porque o agora também não espera por ti.

 

 

Incenso

Chegas e atiças-me fogo com a tua chama. Entro em combustão de dentro para fora e de fora para dentro. És a minha pele, estás na minha pele que queima violentamente, descontroladamente.
Deixas-me assim a consumir-me pelo teu fogo, lentamente, como um incenso que vai dissipando a sua essência.
É assim que me queres? Consumida por ti, febril, na brasa lenta da tua tesão.
Consegues sentir? Porque eu sinto-te a entrar em cada poro, cada milímetro do meu corpo responde a ti. Submete-se a ti. Consome-se por ti. Espera por ti. Pacientemente, ansiosamente.

Apaixonadamente.

 

O ciclo vicioso do vazio.

Estranha forma de sentir – esta incompletude, este vazio, esta falta de qualquer coisa que me impulsiona a estar sempre à procura de algo que não sei o que é, não sei onde está.

Por fora os parâmetros quotidianos são o que me fazem circular por mais um dia. A rotina, o trabalho, o sorriso mecânico, a empatia robótica.

Mas por dentro não há nada. Não sinto, este vazio deixa-me sonâmbula, dormente. Sempre esta incessante procura por mais, pelo tudo!

E quando penso que encontro volto a cair neste vórtex do nada. Arrasta tudo para ele. Perco tudo em mim. A conquista do nada é aquilo que tenho para mostrar.

Nem sei porque choro, já nem sinto a tristeza. Talvez seja pelo desespero gritante do nada.

E vou caminhando pelas sombras, perdida, sozinha, abandonada. E as sombras falam comigo, ouço e tento não escutar. Mas não consigo. Elas puxam-me. Elas dizem para parar de lutar contra o falhanço que é tentar sair do vazio.

Não te iludas – suspiram elas.

Agora dorme… O amanhã será mais um dia de vácuo, horas inóquas, palavras indiferentes, sorrisos mecânicos e a tua alma presa do outro lado – deste lado – no ciclo vicioso do vazio.

A doença que é amar-te.

Só passou um dia mas parece que voou toda uma eternidade.

Já não te disse olá quando acordei.

Continuas a surgir no meu pensamento enquanto as horas se arrastam pela sala vazia, não te consigo ver mas ainda te consigo sentir.

Há um vazio mudo nas palavras.

Arrasto-me pelo silencio da mágoa. A única coisa que ficou. Mágoa, solidão, medo, saudade, amor. Tudo o que resta mas não chega, tudo o que dói mas não parte. Permanecem para me recordar o quanto fazes falta, mesmo não estando.

Que raio de merda é esta a paixão?

Ouço-te dizeres-me num sussurro que me amas, a medo, porque sabes que estamos condenados ao nada. E eu também o sei. Sempre soube. Mas dizes na mesma e o amor cai como uma pedra no nosso coração. Destruidor. Totalmente o oposto daquilo que achamos que o amor é: destrói, amarra, magoa, fere, rasga, ensurdece, amarga, distancia, endurece, quebra, queima.

E se 24 horas sem ti pareceram uma vida…

Tinhas de aparecer e levar tudo de mim contigo. Arrancaste-me a alma e agora não consigo mais amar. Não consigo pensar no nunca ou no sempre.

Quero arrancar esta doença do meu peito.

Quero apagar a tua presença do meu corpo.

Quero tapar o vazio da tua ausência.

Não. Quero sair da impossibilidade.

Pára de respirar no meu ombro e de me beijar o pescoço, não aguento mais continuar a saber que ainda me amas e que ainda te amo. Este amor doente, decadente, moribundo.

Sem espaço, sem tempo nem circunstância.

Condenado à morte desde o primeiro eterno segundo.

Deixou-nos a sentença da saudade e da distância.

 

É a Lei da Vida

Não há nada mais desolador do que a sensação de impotência perante o sofrimento de alguém que nos é próximo, que nos é querido.
As Leis dos Homens e as Leis de Deus deixam de fazer sentido, todos os dogmas caem por terra. Imperam as Leis da Vida que se fazem valer, duras, cruas, não escolhem pessoas, idades, tempo. Acontecem. Fazem-se acontecer. Ensinam-me uma lição de humildade.
Tem de acontecer, mas porque tem de ser assim? Ninguém responde. É a vida. É a morte. Não há palavras que possam descrever ou confortar. Só há silêncio. Mas eu tento resistir-lhe, o silêncio está cheio de vazio. E no vazio não há nada. E não quero que os últimos momentos sejam envoltos num nada, não quando houve uma vida cheia de tudo. Há que respirar fundo e tentar encher o nada de calor, de força de amor. Não são precisas palavras, não são. As palavras fazem parte da Lei dos Homens, tornam-se inúteis, desprovidas de sentido. A Lei da Vida é a energia. Que passamos, que recebemos. Tento procurar no mais ínfimo de mim a força, a calma, o amor quente. Tento não chorar e não deixar passar a mágoa e a revolta.
Não.
Este silêncio não pode ser vazio. Nem pode ser cheio de demasiada tristeza.
A única coisa que posso fazer com este sentimento impotente perante as Leis da Vida é transformar o vazio num cheio de paz.
O teu corpo sofre, mas já não o sentes. Quero acreditar que a tua alma já se prepara para voltar a ser energia pura do universo.
A casca dolorosa fica para trás, de nada nos serve mais no final.
Tiveste uma vida cheia, viste os filhos a crescer, os netos a crescer e o mundo a mudar. Não deveria acabar assim, é certo, mas é a Lei da Vida. Não deixa de ser injusto. Mas a injustiça é uma coisa terrena, dos Homens e de Deus.
A Vida essa acontece e a Morte também.
E não nos podemos deixar consumir pelos sentimentos e energias negativos, não. Esses não fazem falta. Agora só precisamos de amor, calma, paz e aceitação. Para que a sua energia flua calmamente de volta ao Universo, às estrelas, à Vida.

Até sempre.

Chuva Lá Fora

O mundo não acabou pois não? É só mais um passo. Pensas que caíste no abismo, mas não, na realidade afastaste-te dele. Sei que não o parece agora, mas é a verdade.

(Abraça-me)

Não sentes? Parece até que já respiras melhor. Não tenhas medo. Pensas que estás sozinha mas não estás. Estavas antes, agora não. Agora consegues ver quem está lá fora? Abre o teu coração e deixa-te sentir. Já não precisas mais erguer muralhas para te protegeres. Já estás cá fora. À chuva! Não é fantástico?
A maneira como sentes a vida a escorrer-te pela cara? Não penses que são lágrimas de tristeza, não são! São as gotas de chuva que te acordam para um outro mundo, um que existia cá fora mas tu tinhas medo de sair!
Tens frio? Eu sei… por momentos pode tirar o fôlego. Mas não temas. Eu estou aqui e tu estás aqui! Ouviste? TU. Tu estás aqui!
Saíste. Tentaste. Fizeste. Lutaste.
Não. Não baixes a cabeça, escuta-me! Ergue o teu olhar e sente! Vê e sorri!

Vive mais um pouco! Fecha o guarda-chuva e corre! Não precisas de abrigo, precisas de espaço para voar!
Sai! Escapa-te! Ama e ferve! Já podes voltar a sentir. Já podes voltar a ser!
Não tenhas medo da chuva lá fora!

Não tenhas medo da chuva lá fora.

A surdina dos dias intermináveis

Sem ti o meu coração esvazia. Apenas se escuta um murmúrio. As horas passam lentas e vagarosas e a tristeza assombra-me, como a escuridão numa casa vazia. Eu já nada sinto e sem ti já nada tenho.

E imagino dias assim a desdobrarem-se até ao infinito. Talvez lá mais à frente a tristeza já esteja também distante. Mas isso é depois, não é agora. Agora estou endurecida pela mágoa, pela quietude inquieta da distancia, o medo que paralisa, o silêncio que fere, as palavras que rasgam, as lágrimas que caem, o vazio que sufoca, a ilusão que medra e molesta. A ilusão não existe, mas a sua presença é tão real, demasiado até, porque corta e dilacera e faz questão de rir na minha cara, me mostra o quão surreal é este querer.

E eu páro, deixo de sentir, deixo de querer, deixo de ser, torno-me passageira no comboio da indiferença que me leva a alta velocidade para o nada. Cada vez mais sei que o nada é o destino final.

O nada dói. O nunca dói.

Amar-te arrasta-me para as profundezas de um impossível.

 

 

Se me disseres “Vem” eu fecho os olhos e vou.


Se me disseres “Vem” eu fecho os olhos e vou. A paixão tem destas coisas, acções inconsequentes, escolhas impulsivas, palavras ditas a quente. E eu vou, sem pensar, vou ao teu encontro porque é o que o meu coração mais anseia. E quando estou apaixonada não consigo não cumprir o que o meu coração me manda. Ele dita e eu escrevo, todas as palavras são sempre tuas ou por ti ou contigo.

Até na minha mente, na sede do racional, o teu nome, o teu toque, tu, causam o caos. Não há racional que resista a esta paixão que sinto por ti.

E mesmo que saiba que não posso, ou que não devo, que não tenho, que não fico, eu fecho os olhos a todos os Se e Mas, e vou. Vou até ti. E sigo com a respiração em suspenso e só quando me beijas é que recupero o fôlego. Por isso consegues imaginar a minha ansiedade, se só consigo recuperar o fôlego junto a ti, se só consigo respirar contigo.

E quando me tocas roubas-me todas as palavras e arrancas-me os pensamentos. Não consigo mais nada a não ser estar em ti. Entro em êxtase, em plenitude, em zen, em nirvana…chamem-lhe o que quiserem.

És tu.

És tu que fazes todo o sentido em mim, mais ninguém, só tu.

E é por isso, só por isso e por tudo isto, que se me disseres “Vem” eu fecho os olhos e vou.

 

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 95 outros seguidores

%d bloggers like this: